• Os highlights da Semana de Moda de Milão

    Nos últimos dias acompanhamos a Milan Fashion Week, semana de moda responsável por trazer várias casas de moda tradicionais em seu calendário. No post de hoje, vamos fazer aquele clássico resumo do que rolou de mais cool durante os desfiles, e pontuar as tendências da próxima estação.

    MISSONI

    A italiana Missoni nos convida para voltar a “vida normal” em sua nova coleção. A marca segue o seu DNA e aposta em roupas duráveis, desmistificando os códigos antigos de temporadas, onde as estações se unem para um closet mais inteligente e usual.

    Pense no oversize como ponto chave nas próximas produções. A tendência de loungewear cai como uma luva para esse momento que estamos passando. Praticidade é o ponto, mas isso não quer dizer que precisamos ser boring.

    FENDI

    O designer Kim Jones vem fazendo barulho na moda após assumir a direção criativa da Fendi. Na semana de Alta Costura, Jones fez o debut na marca e celebrou os laços familiares. Para a sua primeira coleção ready-to-wear, o estilista revisitou o passado da maison italiana, e teve Roma como ponto de partida para suas criações.

    Pense em cores sóbrias, peles reultilizadas de coleções passadas e sobreposições. É interessante observar como um bom estilista consegue revisitar e pontuar seu olhar sem copiar o que já foi feito no passado.

    É lindo ver como ele percebe com um olhar diferente…. Seu histórico nos mostra que ele entende os códigos e acho que ele é a pessoa perfeita para levar a Fendi ao próximo nível.“, completa Silvia Venturini Fendi.

    ALBERTA FERRETI

    Alberta Ferreti se concentrou em uma coleção mais sólida, que faz referência ao universo feminino e todas as suas variantes- trabalho, praticidade, conforto e beleza. É uma coleção que segue em tons neutros, fomentando o preto, verde oliva e terrosos. É claro que o glam aparece em produções de longos em dourado e franjas, além do drama nos modelos de encerramento, com o preto dando rasante mais uma vez na passarela.

    PRADA

    O “namoro” de Miuccia Prada e Raf Simons não poderia ser mais certeiro. A dupla consegue passear por vários códigos da moda, e nos entregou uma coleção cheia de referências, peças hit, silhuetas que passeiam entre o masculino e feminino, além de fomentar o uso de pele fake. Nada mais chic, né? Os símbolos da Prada conseguem se destacar do início ao fim. Isso que chamamos de uma boa história.

    MOSCHINO

    A Moschino sempre nos leva para um lado mais lúdico, fun e cool da moda. Jeremy Scott sabe como ninguém trazer peças que, por muitas vezes, trazem a fantasia que precisamos para seguir. Através de vídeo, Moschino nos convidou para uma antiga Hollywood cheia de glamour e pompa, contando a história do guarda-roupa da mulher multifacetada, que trabalha, viaja e comparecer nas noites da sociedade. A apresentação contou com várias celebridades, como Hailey Bieber, Miranda Kerr e Winnie Harlow, por exemplo.

    GIORGIO ARMANI

    Giorgio Armani mantem sua essência com uma coleção que busca mesclar o dia com a noite, trazendo cores como o preto e azul marinho em protagonismo, fazendo contraponto em blazers bem executados, pantalonas e saias fluidas em seda. O desfile apresentou também modelos masculinos, que conversavam facilmente com a proposta para as mulheres. Senhor Armani sempre certeiro.

    SALVATORE FERRAGAMO

    Ferragamo está de olho no futuro – e nós também! Com uma coleção que faz referências aos clássicos de sci-fi, a marca nos propõe uma nova alfaiataria com uma roupagem moderna, metálica e sustentável. Boa parte dos tecidos foram de poliéster feito de materiais reciclados.

    PHILOSOPHY

    A Philosophy di Lorenzo Serafini elevou o high school para um outro nível. Dá pra imaginar o figurino de “Harry Potter” em dias atuais, ou até mesmo o elenco de “Gossip Girl” na escadaria do MET. Cores, texturas, recortes, patchwork e brasões se fazem presentes. Mais moderno, impossível.

    EMILIO PUCCI

    A Pucci também revisita seu arquivo e traz sua icônica estampa de lenço em tons mais quentes, aplicadas em macacões de ski ou em jaquetas bomber, por exemplo. O sportwear vem forte, mas não podemos deixar de pontuar os vestidos com aplicações de penas e cristais. Tecidos reciclados também se fazem presente. Podemos vê um movimento de uma moda mais ecológica vindo forte pro aí.

    VALENTINO

    A Valentino nos mostra que a moda poder ser chic, jovem, curta e transparente. Imagina tudo isso sem beirar a vulgaridade? É o que Pierpaolo Piccioli nos mostrou na apresentação. A cartela de cores basicamente se resume no preto e branco. Pense em geometria, peças estruturadas, o contraponto com o dourado que vimos também na Alta Costura da marca, além de fluidez nos vestidos longos. É o melhor entre os dois mundo. É o encontro perfeito entre o punk e o romântico.

    Para mais conteúdos, acompanhe também o Instagram @RenerOliveiraCom .

  • FKA twigs e Getty Images se juntam para empoderar storytellers negros e exaltar a história negra

    Getty Images lançar iniciativa de doação de conteúdo para disponibilizar milhares de fotografias relacionadas com a história negra para uso não-comercial | Foto: Ruth Ginika Ossai/ Reprodução

    Cada vez mais, vemos artistas da nova geração engajados em causas sociais e levantando bandeiras que, até algum tempo, eram veladas para não haver comprometimento perante os business. Hoje recebemos a notícia da parceria entre a cantora FKA twigs, e a plataforma Getty Images, com o intuito de fomentar a história negra. Usando o poder e alcance da FKA, a Getty Images vai disponibilizar gratuitamente imagens para criação de conteúdo sobre a narrativa visual da história negra.

    Sendo assim, em breve veremos ações com imagens do Arquivo Hulton sendo disponibilizadas para criadores, educadores e storytellers usarem como base de produção de conteúdo não-comercial. Como parte do projeto, a Getty Images também irá providenciar pesquisas adicional para fins educacionais e mentorias focadas em história negra em seu Arquivo Hulton.

    Em contrapartida, FKA twigs irá lançar um projeto com uma ativação que incluirá conteúdo da coleção.

    “Na Getty Images, acreditamos no poder da comunicação visual para mudar o mundo. Para fazer isso, precisamos apoiar criadores de conteúdo negros para contar mais histórias autênticas para a comunidade negra mundial”, disse Ken Mainardis, vice-presidente sênior e diretor de conteúdo da Getty Images.

    Nos próximos meses, a Getty Images irá lançar mais detalhes sobre o projeto. Parceiros de conteúdo podem oferecer doações de arquivos pelo email CSR@gettyimages.com.

  • Novato na moda, Charles de Vilmorin, assume direção criativa da Rochas Paris

    Charles de Vilmorin assume a direção criativa da Rochas Paris | Foto: Reprodução

    Há quase um século na indústria da moda, a Rochas Paris anunciou o novato, Charles de Vilmorin, como novo diretor criativo da marca. Vilmorin fez barulho no circuito fashion após suas apresentações na semana de Alta Costura, trazendo uma moda universal, artística e fantasiosa. 

    Com essa notícia a gente volta a refletir sobre esse novo momento da moda, do resgate de grandes casas e na perpetuação de nomes consolidados, mas com uma nova roupagem. Charles mostrou que tem um grande potencial artístico dentro da sua marca homônima. Sendo assim, podemos esperar um flerte entre o DNA da Rochas com o frescor do jovem estilista de 24 anos. 

    É com grande honra que ingressei na maison Rochas como diretor criativo. Rochas é uma marca que ocupa um lugar especial no meu coração devido às raízes da minha família e à sua tradição rica e inspiradora. Mal posso esperar para dar o meu toque pessoal e reinterpretar os códigos desta esplêndida casa ”, afirma Charles de Vilmorin.

  • Karol Conká como case negativo de influência

    Cantora Karol Conká vem sendo “cancelada” por suas atitudes dentro do Big Brother Brasil

    Impossível não dá ênfase no assunto do momento: o BBB 21. Não só por ser a edição mais inclusiva até o momento, totalizando 9 pessoas pretas participando, mas também por ser uma das mais polêmicas. Nesse post, não irei me aprofundar sobre isso, e sim, sobre a influência negativa da participante Karol Conka .

    Acompanho o trabalho da Karol há um tempo. Sempre muito representativa, militante e participando de campanhas no mesmo segmento. Antes do reality começar, podemos dizer que a cantora era uma das favoritas ao pódio de finalistas. Mas, ninguém consegue manter uma personagem 24h por dia com diversas câmeras captando tudo, né?

    Eis que Karol se mostrou uma pessoa totalmente diferente do que vemos nas redes sociais. Mesmo não sendo conhecida nacionalmente pelo grande público, existe uma relevância no meio artístico que fez com que Karol tivesse visibilidade e voz. Não diferente de muitos artistas e influenciadores, vimos que a ‘sister’ é apenas de carne e osso, com erros, julgamentos e falas abomináveis. Estranho, não é mesmo? Todo aquele empoderamento, cadê?

    Por isso que sempre falo que precisamos enxergar além dos números. Marcas como Avon, Nivia e Magazine Luiza já fizeram publicidade com a cantora, por exemplo. Hoje em dia, com todo o buzz do programa, será que Karol representa a mensagem que cada marca quer passar?

    Precisamos nos questionar com quem nos relacionamos – nos negócios e na vida. Quando damos audiência e energia para discursos negativos e de ódio, somos co-autores do fato. Esse é apenas mais um caso de influência negativa que vemos diariamente por aí.

    Mas, não se enganem: quando a artista sair da casa, esperem um vídeo chorando de arrependimento e, em seguida, o público esquecendo tudo que foi dito e feito. O que precisamos focar, é na necessidade de transparência por meio da nova publicidade. O online e o offline não conseguem mais se desprender. As causas sociais devem ser o meio para um mundo melhor e igualitário. Essas pautas não podem ser muletas para artistas crescerem e inflarem seus egos vazios.

    O trabalho do profissional de comunicação vai muito além de textos e fotos. É preciso fazer uma análise profunda.